26 de mar de 2016

Sistema Toyota de Produção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Toyotismo)
Sistema Toyota de Produção é um sistema de produção desenvolvido pela Toyota entre 1948 e 1975, que aumenta a produtividade e a eficiência, evitando o desperdício, como a de tempo de espera, superprodução, gargalos de transporte e inventário desnecessário etc, foi desenvolvido por Taiichi Ohno, o sistema integra o lean manufacturingjust-in-time,[1] kanbane o nivelamento de produção ou heijunka.[2]

Origem[editar | editar código-fonte]

Taiichi Ohno (1912-1990), Shingeo Shingo (1909-1990) e Eiji Toyoda (1913-2013) inicialmente desenvolveram o sistema entre1948 e 1975, a medida que o sistema se espalhou pelo Japão até o Ocidente, o sistema foi adquirindo outros nomes; até1970, a Toyota não tinha um nome específico para sua estratégia de produção.[3]
Os fundadores da Toyota estudaram o trabalho de Deming o que constitui como fundamento do sistema Toyota[4] e o roteiro daFord, então quando visitaram os Estados Unidos para estudar a linha de montagem de produção em massa eles não se surpreenderam.[3]
Taiichi Ohno que continuou a melhorar o processo posto em prática por Toyota, credita suas contribuições ao STP a dois conceitos principais, o primeiro conceito do livro de Henry Ford Today and Tomorrow, era a linha de montagem em movimento que providencia as bases para a produção e os sistemas de montagem usadas na STP. O segundo conceito eras as opções de supermercado que observou durante sua visita aos Estados Unidos em 1956 que providenciava alimentação contínua. O supermercado deu a Ohno a ideia de um sistema de tração onde cada processo de produção provê para o processo seguinte de forma ininterrupta.[5]
O Sistema Toyota de Produção foi ser reconhecido internacionalmente apenas em 1990, com um estudo realizado por pesquisadores do MIT a cerca da indústria automobilística[6] .

Princípios[editar | editar código-fonte]

Os princípios subjacentes, chamados a Toyota Way, foram delineadas pela Toyota como segue:[7] [8] [3]
Melhora contínua
Os princípios de melhorias contínuas incluem o estabelecimento de uma visão a longo prazo objetivando o confronto com desafios, a inovação contínua e a procura da causa dos problemas:[3] :45
  • Desafio (Formamos uma visão de longo prazo, enfrentamos os desafios com coragem e criatividade para realizar nossos sonhos.)
  • Kaizen (Melhoramos nossas operações de negócios de forma contínua, motivados pela inovação e evolução.)
  • Genchi Genbutsu ("Vá e veja", vamos até a fonte para encontrar os fatos e tomar decisões corretas.)
Respeito às pessoas
Os princípios relacionados ao respeito às pessoas incluem modos de desenvolver o respeito e o trabalho em grupo:[3] :45
  • Respeito (Respeitamos o outro, fazemos todos os esforços para entender um ao outro, assumimos a responsabilidade e fazemos o nosso melhor para construir confiança mútua.)
  • Trabalho em equipe (Estimulamos o crescimento pessoal e profissional, compartilhamos oportunidades de desenvolvimento e maximizamos o desempenho individual e da equipe)

Criticismo[editar | editar código-fonte]

O STP enfatiza o uso de kanbans e estoque mínimos, mas apenas tentar a redução de estoque sem considerar outros fatores pode ter consequência sérias, o sistema é agora, muito vulnerável a disrupções, assim, um grande estoque esconde problemas em potenciais como fornecedores não confiáveis, perda de sucata, quebras de máquinas etc, a medida que o estoque diminui, esses problemas ficam visíveis e força o gerenciamento a solucionar esses problemas. Sendo assim, a chave é resistir à redução de estoque muito rapidamente, resolvendo os problemas a medida que aparecerem.[5] :123

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Caryl C., Takayama H., Sparks J., Toyota Triumphs, Newsweek International, Atlantic Edition, 2005.
  • Liker, Jeffrey K. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. Porto Alegre: Bookman, 2005.ISBN 85-363-0495-2
  • Moura, Reinaldo A., Kanban: A simplicidade no controle da produção, São Paulo, IMAN, 1989. ISBN 890965
  • Ohno, Taiichi, Toyota production system: beyond large-scale production, Productivity press, 1988. ISBN 8573071702
  • Shingo, Shigeo, O sistema toyota de produção: Do ponto de vista da engenharia de produção, Porto Alegre, Bookman, 1996. ISBN 857307071699
  • Slack, N., S. Chambres, C. Armand e R. Johnston, Administração da produção, São Paulo: Editora Atlas, 1997. ISBN 8521312369
  • Smalley, Art, Criando o sistema puxado nivelado, Lean Enterprise Institute, 2004. ISBN 097631522X
  • Womack, James P. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1992. ISBN 85-7001742-1
  • Womack, James P., A mentalidade enxuta nas empresas, Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2004. ISBN 8535212701

Ver também[editar | editar código-fonte]


8 de mar de 2016

Palestra Valdez Ludwig - Completo

MUDANÇA DE ATITUDE

Palestra Homero Reis - Faces da Mudança

Warren Bennis

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Warren G. Bennis
Warren Bennis.jpg
NascermosWarren Bennis Gamaliel
08 de março de 1925
New York , New York
Morreu31 de julho de 2014 (aos 89 anos)
Los Angeles, Califórnia
Ocupação
Cônjuge (s)Clurie Williams Bennis, (m. 1962, div., 1980), Grace Gabe (m. 29 de novembro de 1992)
criançasKatharine Bennis, John Leslie Bennis, Will Martin Bennis


Warren Gamaliel Bennis (08 de março de 1925 - 31 de julho, 2014) era umamericano erudito, consultor organizacional e autor, amplamente considerado como um pioneiro do campo contemporâneo de estudos de liderança . [1] [2]Bennis era professor universitário e Distinguished Professor de Administração de Empresas e presidente fundador do Instituto de Liderança da University of Southern California . [3]
"Seu trabalho no MIT na década de 1960 sobre o comportamento do grupo prefigurado - e ajudou a trazer - mergulho de cabeça de hoje em instituições menos hierárquica, mais democrática e adaptáveis, públicas e privadas", escreveu especialista em gestão de Tom Peters, em 1993, no prefácio Bennis'Uma vida Inventada:. Reflexões sobre Liderança e Mudança [1]
Especialista em gestão de James O'Toole, em uma edição de 2005 do Compass, publicado pela da Universidade de Harvard John F. Kennedy School of Government , afirmou que Bennis desenvolvido "um interesse em um campo então inexistente que ele iria, finalmente, fazer a sua própria - a liderança - - com a publicação de sua "Teoria revisionista da Liderança ' [4] na Harvard Business Review em 1961." [5] O'Toole observou que Bennis desafiou a sabedoria predominante, mostrando que humanísticos, líderes de estilo democrático são mais adequados para lidar com a complexidade e as mudanças que caracterizam o ambiente liderança.

O serviço militar e educação [ editar ]

Bennis nasceu em The Bronx e cresceu dentro de um operário família judia, emWestwood, New Jersey , antes de se alistar no Exército dos Estados Unidos em 1943. [6] Ele iria passar a servir como um dos mais jovens oficiais de infantaria do Exército em o teatro de operações europeu, e foi premiado com o Purple Heart e Estrela de Bronze . [7]
Depois de seu serviço militar, Bennis inscritos no Antioch College em 1947, onde ganhou seu BA em 1951. Em 1952, Bennis foi premiado com um Certificado de Menção Honrosa da London School of Economics , e Hicks Fellow do MIT. Presidente Antioch Douglas McGregor , considerado um dos fundadores da filosofia de gestão democrática moderna, levaria Bennis como um protégé , um relacionamento erudita que seria fecundo, quando ambos mais tarde serviu como professores daSloan School of Management do MIT . Bennis obteve seu PhD pelo MIT em 1955, com especialização em Ciências Sociais e Economia. Lá, Bennis iria exercer o cargo de presidente do Departamento de Estudos Organizacionais. [8]

Carreira [ editar ]

Dentro da área de gestão, Bennis procurou passar da teoria para a prática, em 1967, tendo o cargo de reitor da Universidade Estadual de Nova York em Buffalo e a presidência da Universidade de Cincinnati, em 1971. Ele foi o autor de dois livros sobre liderança durante sua presidência: A torre inclinada Ivory de 1973, e The Conspiracy Inconsciente: por que os líderes não podem conduzir, 1976. [9]
Bennis escolheu voltar para a vida de um professor, consultor e autor após um ataque cardíaco em 1979, juntando-se ao corpo docente da University of Southern California. A maior parte da mais conhecida de seus 27 livros se seguiram, incluindo os líderes mais vendidos e em se tornar um líder, ambos traduzidos para 21 línguas. [10] Uma Vida Inventada foi indicado para o Prêmio Pulitzer. Livros mais recentes, Organizando Genius, 1997, co-líderes, 1999, e gerenciando o sonho de 2000, resumem os interesses de Bennis na liderança, julgamento, mudança organizacional e colaboração criativa. Geeks & Geezersde 2002, examina as diferenças e semelhanças entre os líderes trinta anos e mais jovens e líderes de setenta anos e mais velhos. [2] [5]
Bennis passou um tempo como um conselheiro para quatro presidentes dos Estados Unidos e várias outras figuras públicas, e também tem consultado para inúmeras empresas Fortune 500. [11]
Ele também passou um tempo nas faculdades de Harvard e da Universidade de Boston e ensinou no Instituto Indiano de Administração de Calcutá (IIM-C) , INSEAD e IMD. Além de seus cargos na USC, Bennis serviu como presidente do Conselho Consultivo do Centro de Liderança Pública da Escola Kennedy da Universidade de Harvard. Ele foi professor visitante da liderança na Universidade de Exeter (Reino Unido) e um membro sênior da Escola de Políticas Públicas e Pesquisa Social da UCLA.

Impacto [ editar ]

Wall Street Journal nomeou-o como um dos dez melhores palestrantes mais procurados em matéria de gestão, em 1993; arevista Forbes a que se refere a ele como o "decano dos gurus de liderança" em 1996. O Financial Times se referia a ele em 2000 como "o professor que estabeleceram liderança como um campo acadêmico respeitável. "em agosto de 2007, a business Week classificou-o como um dos dez melhores líderes no mundo dos negócios. [12] [13]
Seu trabalho em se tornar um líder, publicado originalmente em 1989, estabelece as bases que um líder deve ser autêntico, ou seja autor de sua própria criação; [14] uma combinação de experiência, auto-conhecimento e ética pessoal. Esta necessidade de um líder eficaz para permanecer fiel à sua auto-invenção seria ainda mais expandida por outros em que se tornou conhecido como a abordagem de liderança autêntica. [15]

Bibliografia [ editar ]

Warren Bennis escreveu cerca de 30 livros, muitos deles com co-autores. Aqui está uma seleção:
  • 1974, a Torre de Marfim inclinada ( ISBN 0875891578 )
  • 1985, o Planejamento da Mudança ( ISBN 0030895189 )
  • 1992, a liderança visionária: criando um senso de obrigação da Direcção para a sua organização
  • 1993, além Burocracia: Ensaios sobre o desenvolvimento e evolução da organização humana
  • 1993, a indústria Unreality: O Manufacturing deliberada de falsidade e o que está fazendo para nossas vidas
  • 1997, Beyond falsificados Liderança: Como se tornar um líder mais autêntica
  • 1997, Beyond Liderança: Equilíbrio Economia, Ética e Ecologia ( ISBN 155786960X )
  • 1997, a Organização Genius: The Secrets of colaboração criativa ( ISBN 0201570513 )
  • 1997, por que os líderes não podem conduzir: The Conspiracy Inconsciente Continua ( ISBN 1555421520 )
  • 1998, a Sociedade Temporária co-autoria com Philip Slater (2ª edição)
  • 1999, co-líderes: o poder dos grandes parcerias
  • 1999, a Gestão de Pessoas é como reunir gatos: Warren Bennis sobre Liderança ( ISBN 096349175X )
  • 2000, Managing the Dream: Reflexões sobre Liderança e Mudança ( ISBN 0738203327 )
  • 2000 "Melhores Práticas em Desenvolvimento de Liderança" ( ISBN 0787952370 )
  • 2002 Geeks & Geezers: Como Época, valores e momentos decisivos Líderes Forma ( ISBN 1578515823 )
  • 2003, Líderes: Estratégias para Taking Charge ( ISBN 0887308392 )
  • 2005 Reinventando Liderança: Estratégias para capacitar a Organização ( ISBN 9780060820527 )
  • 2008, Transparência: Como líderes criar uma cultura de Candor co-autoria com Dan Goleman e Jim O'Toole ( ISBN 0470278765 , ISBN 978-0-470-27876-5 )
  • 2009, Julgamento: Como Líderes Grande fazer chamadas vencedoras co-autoria com Noel Tichy ( ISBN 1591841534 ,ISBN 978-1-59184-153-1 )
  • 2009, On Becoming a Leader (20th Anniversary Edição / 3 ª edição) ( ISBN 0738208175 )
  • 2010, ainda Surpreso: A Memoir of a Life em Liderança co-autoria com Patricia Ward Biederman ( ISBN 9780470432389 )